sábado, 18 de junho de 2011

Pássaros sem asa


Quando não há bloqueio a gente se manifesta:
Concorda, discorda ou contesta.
Caso contrário, retraí-se, cala,
se encolhe, se esconde, se apaga.

Os homens agem como se asas tivessem.
Constroem, destroem, progridem, regridem, se escondem:
pela catatonia, abulia ou moléstias incapacitantes,
que lhes travam, ficando sem asas para tudo.

Raramente compreendidos, ficam bem longe, banidos,
qual vela que já se apaga.
Seu grito é surdo, não ouvido, são só vácuos ou gemidos.

Sempre existirão almas altruístas
que os levem a viver e existir,
ousar , sonhar, impedido-lhes o desistir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário